STF | Aplicação retroativa do acordo de não persecução penal

O Plenário do STF entendeu por unanimidade que o acordo de não persecução penal (ANPP) é aplicável aos fatos ocorridos antes da publicação da lei 13.964/19, que introduziu o instrumento no Código de Processo Penal.

O ANPP prevê que o Ministério Público e o investigado, devidamente assistido por seu advogado, possam celebrar um acordo onde, uma vez cumprido seus dispositivos, ensejará o arquivamento da investigação. São vários os requisitos para a aplicação do acordo, sendo fundamental que só pode ser aplicado em crimes onde não haja violência ou grave ameaça à pessoa.

A Suprema Corte entendeu que é possível a aplicação retroativa do instituto a crimes ocorridos antes da vigência do ANPP (que integra o pacote anticrime de dezembro de 2019) desde que a denúncia não tenha sido recebida antes da entrada em vigência da lei.

Mais publicações

23/08/2021

Modernização do Judiciário beneficia a máquina pública

Artigo publicado no blog Fausto Macedo (O Estado de S. Paulo) O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou neste mês a criação do Sistema de Integridade do Judiciário, instituindo um conjunto novo de regras que aprimoram o funcionamento desse Poder, prevenindo fraudes e combatendo a corrupção. O Sistema é parte de uma Estratégia Nacional do […]

leia mais
31/05/2021

Bolso-nazismo

Artigo publicado na Folha de S.Paulo O anti-judaísmo é uma das formas mais longevas de discriminação religiosa, racial e étnica. Atravessa ao menos dois milênios de história. ​Na alta Idade Média se manifestou sob a forma de perseguição religiosa, e o deicídio (com judeus acusados de matar Cristo) era motivação para a explosão de ódio […]

leia mais
19/05/2021

Maioria dos Estados tem leis para caracterizar devedor contumaz

O contribuinte em São Paulo corre o risco de ser denunciado por crime se ficar devendo seis meses de ICMS. Em Santa Catarina, o prazo é um pouco maior: oito meses, com dívida de pelo menos R$ 1 milhão. Além desses Estados, outros 17 e o Distrito Federal possuem normas para caracterizar o devedor contumaz, […]

leia mais