Banco Central adota novos procedimentos para prevenção de lavagem de dinheiro e financiamento de terrorismo

O Banco Central do Brasil, por meio da Carta Circular 4001, adotou novos procedimentos para a prevenção de crimes de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo. As novas normas visam aproximar a legislação brasileira das internacionais, ampliando o rol de condutas que podem ser qualificadas como tipos penais, como por exemplo, a fragmentação de depósitos ou pagamentos, a tentativa de negociação de moeda que tenha aspecto de armazenamento em local imprópria, a identificação indevida de clientes, dentre outras. Já em relação ao financiamento ao terrorismo, foram introduzidas normas proibitórias de caráter preventivo, que se relacionem, direta ou indiretamente, com a proliferação de armas de destruição em massa, definidas pela legislação internacional.

As ações deverão ser comunicadas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), órgão responsável pela produção e condução de processos de inteligência financeira no país. Os novos procedimentos, por ampliarem o escopo da legislação vigente, merecem atenção das empresas e pessoas físicas, para garantia da segurança jurídica.

Mais publicações

23/08/2021

Modernização do Judiciário beneficia a máquina pública

Artigo publicado no blog Fausto Macedo (O Estado de S. Paulo) O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou neste mês a criação do Sistema de Integridade do Judiciário, instituindo um conjunto novo de regras que aprimoram o funcionamento desse Poder, prevenindo fraudes e combatendo a corrupção. O Sistema é parte de uma Estratégia Nacional do […]

leia mais
31/05/2021

Bolso-nazismo

Artigo publicado na Folha de S.Paulo O anti-judaísmo é uma das formas mais longevas de discriminação religiosa, racial e étnica. Atravessa ao menos dois milênios de história. ​Na alta Idade Média se manifestou sob a forma de perseguição religiosa, e o deicídio (com judeus acusados de matar Cristo) era motivação para a explosão de ódio […]

leia mais
19/05/2021

Maioria dos Estados tem leis para caracterizar devedor contumaz

O contribuinte em São Paulo corre o risco de ser denunciado por crime se ficar devendo seis meses de ICMS. Em Santa Catarina, o prazo é um pouco maior: oito meses, com dívida de pelo menos R$ 1 milhão. Além desses Estados, outros 17 e o Distrito Federal possuem normas para caracterizar o devedor contumaz, […]

leia mais